PROFISSIONAIS PROFISSIONAIS DE SAÚDE
LOGIN
Usuário
Senha

Conheça os diferentes tipos de tratamento da Osteoartrite

A Osteoartrite, doença crônica que acontece na região das articulações, é a forma mais comum de artrite, especialmente em pessoas idosas. 

A função básica da cartilagem articular é a de diminuir o atrito entre duas superfícies ósseas durante o movimento. Com a perda da cartilagem, ocorre atrito entre as superfícies ósseas da articulação, geralmente causando dor e, ao longo do tempo, desgaste e destruição da superfície articular. As articulações mais acometidas são joelhos, quadris, mãos e coluna.

O diagnóstico geralmente é clínico, mas exames de imagem costumam ser solicitados. “A suspeita diagnóstica se dá se o paciente tem mais do que 45-50 anos, com dor que se manifesta principalmente quando vai iniciar um movimento, após algum período na mesma posição como, por exemplo, primeiros passos após ficar sentado, ou ao acordar pela manhã”, explica Ana Paula Luppino Assad, médica reumatologista do Hospital Santa Catarina, de São Paulo. 

A dor piora com esforço da região acometida ou ao longo do dia, segundo ela, e os pacientes podem ter sensação de rigidez da articulação ao acordar, mas que não perdura por mais que 30 minutos.

Apesar de não ter cura, existem diversos tratamentos disponíveis focados em reduzir a dor e amenizar a perda de função da articulação.

“Além dos tratamentos medicamentosos, medidas como educação e conscientização da doença, fisioterapia (exercícios terapêuticos), acupuntura, uso de órteses para correção biomecânica e orientações para perda de peso são essenciais para o controle dos sintomas e para evitar a progressão do desgaste articular”, detalha a especialista. Há casos em que pode ser necessária correção cirúrgica.

Conheça mais detalhes dos principais tratamentos da Osteoartrite:

Medicamentos para dor

Nem todos os pacientes de Osteoartrite sentem dor. Para quem tem, os analgésicos costumam ser eficazes, mas têm ação pouco duradoura.

Medicamentos para inflamação

Diante de um quadro inflamatório, anti-inflamatórios não esteroidais podem ser indicados, tanto em comprimidos quanto em gel ou creme. São usados para combater processos inflamatórios, que geralmente se apresentam com dor, inchaço, vermelhidão e aumento de temperatura sobre a articulação acometida.  Muitos deles são vendidos sem receita, mas não se deve usá-los de forma indiscriminada, pois aumentam os riscos de doenças cardiovasculares, de úlceras gástricas, de problemas nos rins (como insuficiência renal), entre outros. 

Outros medicamentos

O médico pode receitar ainda outros tipos de medicamentos, inclusive antidepressivos e relaxantes musculares que atuam em mecanismos associados à dor crônica. “Ainda podem ser indicadas infiltrações intraarticulares de glicocorticoide, nos casos de processo inflamatório ativo, ou ainda a chamada viscossuplementação, que consiste na aplicação de hialuronato de sódio diretamente na articulação”, explica Ana Paula. Em todos os casos, destaca ela, deve ser avaliado os riscos e benefícios do procedimento, principalmente para uso de glicocorticoide, pois há risco de piorar a lesão dos tecidos da região.

Suplementos nutricionais

Alguns suplementos nutricionais têm se mostrado um importante aliado aos tratamentos médicos convencionais para melhorar o quadro de pacientes com Osteoartrite. Minerais como cálcio e manganês, entre outros, assim como a vitamina C, ajudam a reduzir a inflamação e as dores, melhorando consequentemente a mobilidade.

Ana Paula conta que, apesar de poucos estudos que comprovam sua eficácia, alguns suplementos podem trazer um benefício adicional quando associado aos demais tratamentos, como extrato de abacate, sulfato de glicosamina e condroitina, colágenos, extrato de cúrcuma e Boswellia sp, entre outros.

Cirurgias:

De acordo com a gravidade e quando outros tratamentos não reduzem a dor ou não melhoram a função das articulações, o tratamento cirúrgico passa a ser uma alternativa. Uma das cirurgias visa substituir uma articulação por outra artificial, e ocorre com mais frequência nas regiões do quadril e joelho. A substituição por prótese pode ser parcial ou total. Geralmente, a intervenção é bem-sucedida, mas a desvantagem é que, de tempos em tempos, ela precisa ser substituída. 

Outros tratamentos cirúrgicos podem ser indicados, como para limpeza de osso deteriorado, para mudar o alinhamento ósseo e para aliviar a compressão de um nervo principalmente na coluna e pescoço.

Exercícios físicos:

Exercitar músculos e articulações são muito importantes para pessoas com Osteoartrite, desde que não sejam de muito esforço ou de impacto. Geralmente, são recomendadas três categorias de exercícios. 

Alongamento é um deles e visa o aumento da flexibilidade. Outro visa o fortalecimento muscular, principalmente envolvendo as articulações acometidas pela doença. Exercícios aeróbicos é a terceira categoria indicada, e deve ser de baixo impacto, como caminhada, natação, hidroginástica e bicicleta ergométrica.

“Os exercícios estão associados ao melhor controle de dor, maior funcionalidade e menor progressão da doença”, completa a reumatologista.

Outros tratamentos adicionais:

A acupuntura pode ajudar a reduzir a dor. 

A Fisioterapia, a terapia ocupacional e a massagem feita por terapeutas habilitados também se mostram como alternativas que apoiam os tratamentos médicos. Em geral, a aplicação de ultrassonografia ou estimulação elétrica do nervo (TENS) mostram benefício no controle da dor.

Em alguns casos, o uso de palmilhas pode ajudar a corrigir desalinhamentos articulares e reduzir a dor.

Deve-se ainda combater o sobrepeso e a obesidade. “A perda de peso, além de aliviar a carga da articulação, propriamente dita, diminui a inflamação, pois o tecido adiposo produz substâncias que promovem ou aumentam a inflamação”, destaca Ana Paula.

Ter uma doença que não tem cura pode causar um forte impacto na pessoa, ainda mais quando o sintoma é de dor e de limitação para fazer tudo o que está acostumada no dia a dia. O que não pode é se entregar! Existem muitos tratamentos que farão o doente se sentir melhor, e muitas iniciativas coadjuvantes aos remédios indicados pelo médico, para trazerem bem-estar.

Veja também: