PRO PROFISSIONAIS DE SAÚDE
PROFISSIONAIS PROFISSIONAIS DE SAÚDE
LOGIN
Usuário
Senha
ESQUECEU A SENHA
Digite seu e-mail cadastrado. Enviaremos um link para que você possa reativar sua senha.
Digite seu e-mail

Gastrite nervosa: saiba o que é e como controlar

Níveis elevados de estresse e de ansiedade não abalam somente nosso emocional, nossa saúde mental, mas também podem desencadear uma crise de dispepsia funcional, popularmente conhecida como gastrite nervosa.

A gastrite nervosa é diferente dos outros tipos de gastrite, como a crônica, a aguda, a enantematosa e a eosinofílica, as quais são caracterizadas por um processo inflamatório no estômago. A gastrite nervosa, ao contrário, não causa inflamação.

O que faz com que a dispepsia funcional seja chamada de gastrite nervosa é em razão dos sintomas similares à clássica gastrite. Entre eles estão azia, queimação, aquela sensação de estômago cheio ou inchaço abdominal. Também é possível sentir dor constante ou em pontadas, enjoos, vômitos e arrotos frequentes; ou até perda do apetite e diarreia.

A gastrite nervosa pode surgir em qualquer fase da vida, mas principalmente em momentos de forte estresse ou ansiedade, como o que muitas pessoas estão sentindo neste período da pandemia de Covid-19, seja pelo isolamento social, seja pelo medo de contrair o novo coronavírus, ou ainda pela perda de entes queridos.

Como evitar a gastrite nervosa

Por se tratar de uma consequência de fatores emocionais, podemos evitar sofrer de gastrite nervosa ao cuidar de nossa saúde mental. Buscar ter uma vida saudável com momentos de prazer e de relaxamento é a melhor forma de manter distância dessa doença. Além disso, devemos tentar, ao máximo, controlar os fatores estressantes no nosso dia a dia.

Comece cuidando de sua alimentação. A dieta deve ser balanceada, independentemente da existência ou não de alguma doença. Verduras, legumes e frutas devem fazer parte do cardápio diário, além de grãos e proteínas. Dê preferência às carnes magras.

O Dr. Carlos Eduardo Miguel da Silva, médico gastroenterologista e intensivista da Santa Casa de Porto Ferreira e da Vigilância Epidemiológica da Prefeitura de Porto Ferreira, no interior de São Paulo, frisa que a alimentação deve ser fracionada, ou seja, devemos comer pouca quantidade várias vezes no decorrer do dia. “Deve-se evitar longos períodos em jejum”, destaca ele.

No caso de preservar especificamente as paredes do estômago, não é recomendado o consumo de frituras e alimentos processados, assim como de comidas muito salgadas. Uma boa dica é reduzir a quantidade de sal no preparo dos alimentos, substituindo parte dele por ervas e sementes para deixar a comida mais saborosa. Açúcar em excesso é outro vilão à nossa saúde.

A hidratação não pode ser deixada de lado. Beba sempre muita água. Chás feitos de ervas (não os industrializados) sem açúcar são muito bem-vindos. Dê preferência às ervas com efeito calmante, como camomila, erva-cidreira (capim-limão) e passiflora.

Por outro lado, refrigerantes, sucos ácidos (cítricos) e café devem ser evitados, conforme a recomendação do Dr. Silva.

É bom lembrar também que o consumo de bebidas alcoólicas em excesso, assim como o hábito de fumar, são prejudiciais.

Corpo e mente sãos

O combate ao estresse inclui a prática regular de atividades físicas, que faz bem para a saúde física e mental. Ao nos exercitarmos, há um aumento na produção de serotonina e endorfina, que são neurotransmissores relacionados à sensação de bem-estar.

Procure atividades que lhe dão mais prazer. Além das aeróbicas, que impactam positivamente nos sistemas cardiovascular e muscular, inclua aquelas voltadas mais para a mente, como yoga e meditação, por exemplo.

Da mesma forma, reserve um tempo em sua agenda para fazer o que gosta, procure cultivar um hobby.

Gastrite nervosa tem cura

As atividades físicas e alimentação balanceada valem no caso de a gastrite nervosa já estar instalada, mas não abra mão de procurar ajuda profissional. Nem sempre está sob nosso controle afastar por completo os fatores estressantes do cotidiano, mas podemos reforçar nossa capacidade de saber lidar com eles.

O médico gastroenterologista é o mais indicado para traçar o diagnóstico e indicar o melhor tratamento, que costuma incluir medicamentos antiácidos ou os que reduzem a produção de acidez no estômago.

Com o diagnóstico em mãos, o paciente pode recorrer a um médico psiquiatra ou um psicólogo, que irão atuar na causa do problema. Geralmente, os sintomas físicos da gastrite nervosa são curados, quando o problema emocional é tratado.

Fontes:

https://www.globalcare.com.br/br/blog/indigestao-e-azia-podem-ser-sintomas-de-gastrite

https://www.vittude.com/blog/gastrite/

https://www.tuasaude.com/tipos-de-gastrite/

https://www.tuasaude.com/gastrite-nervosa/

https://www.posunifae.com.br/conheca-o-poder-dos-chas-calmantes-e-estimulantes/noticia/1784#:~:text=Erva%2Dcidreira%2C%20chamada%20tamb%C3%A9m%20de,crises%20de%20ansiedade%20e%20depress%C3%A3o.

https://revistagalileu.globo.com/Ciencia/Saude/noticia/2018/10/4-motivos-pelos-quais-fazer-exercicio-fisico-e-bom-para-o-cerebro.html

Veja também: